sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Do que tem sabor de fruta mordida

Quero a velha "sorte de um amor tranquilo" que o Cazuza cantou um dia. Que é pra poder acreditar que todos os romances não foram tempo perdido. Porque o corpo cansa de ficar em ebulição, transbordando paixões tórridas e no fundo, bem no fundo vazias. E é esse vazio que me enche, que me faz explodir, que me faz tomar atitudes impensadas se não fosse esse turbilhão de sensações que "um certo alguém" me causa.

Que confuso não? Se algumas das paixões são vazias, e deixam um vazio profundo, como “alguém” ainda consegue me provocar? A diferença ta ai. As que deixam o vazio, o vácuo, a história que era pra ser vivida, e, que foi esquecida por alguém no meio do caminho, essas transformam nosso coração em um verdadeiro caldeirão...
Será que isso é insensatez?

Talvez seja, talvez....é loucura querer viver o que Cazuza proclamou, em tempos tão modernos?
É loucura querer a porta do carro aberta, flores no dia seguinte, mensagem de bom dia?
Nesses tempos modernos deve ser mesmo. Tudo se tornou efêmero demais. Só posso afirmar que algumas coisas vividas mudam a gente pra sempre.E eu não consigo acompanhar a velocidade disso tudo.

Meu presente tem um cheiro enorme de passado. Mas, o passado não pode se arrastar né? Então, se ao invés de querermos mudar os “tempos”, quisermos então, sermos loucas? Temos lugar nesse mundo estranho, frio e superficial? De romances com datas de validade, e de proteções como escudos feito em fábricas de artesanato? E se mesmo sendo louca, eu quiser ser tranqüila? Te assusta? O amor é tranqüilo.

O amor se permite ser descoberto, ser conquistado. Quando é tranqüilo, é amor.
Amor pede calma, facilitação, é como um plano perfeito, pronto pra acontecer, sem luta ou guerra pra ser feliz. Quero possibilidades diferentes, ser insana e ao mesmo tempo saber que o amor vai chegar, sem maiores aflições. Não quero as fórmulas tradicionais, e muito menos as declarações carentes de quem vive em pleno carnaval.

Quero que caiam as máscaras e que sem maiores esforços percamos o medo de perder e sejamos capazes de nos perder para amar. No passado, desespero se alternava com cortes profundos de navalha na carne, queria me sentir viva e plena numa situação qualquer... Até que a maturidade chegou, trazendo bens que só os anos bem vividos são capazes de nos ofertar.

E, então, talvez hoje, eu já possa avistar as palavras de cazuza se integrando aos meus dias; mesmo que por enquanto só na imaginação. Imaginação que anseia por cenas de realidade, que acredita num futuro bom onde estar com alguém para caminhar do lado, é leve e simples.
Então, no amor é tudo uma questão de Fé não é mesmo?
Santo Cazuza, eu quero a sorte de um amor tranqüilo!
Amém

Por Carô*Lina e Mari*Ana

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

das perguntas...




Traz frio pra minha barriga?
sorriso pro meu rosto?
vontade para o meu corpo?
tira e põe a minha roupa?

Me olha????
com esse olhar fulminante de puro desejo...
é só o hoje que importa?
acho que estando juntos, não seremos julgados.
Deve ser normal deixar acontecer;
E ninguém precisa se sentir culpado...

Eu ás vzs penso em te querer;
às vzs eu me permito querer você;e isso
chega a me dar raiva, não me pergunte "porque"

Diz que seu passado não te pertence mais?
que deixamos tudo para trás?
e que para os outros, agora, tanto faz.

Quero deixar asssim, do jeito que é
Cada coisa em seu lugar! devagar, passo-a-passo.
Vamos fazer tudo de novo? e de novo? e de novo?
deixa eu deixar meu cheiro no seu corpo?

lembre-se, vc precisa se desligar do mundo,
mas, não precisa estar só. Não sinta peso em minhas palavras,
são apenas desejos, são apenas perguntas...

Podemos querer tudo como se fosse a primeira vez???
coisas para alguém como você, alguém como eu....

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Meu conselho é : Tenha Fé!


Ando péssima pra emitir opinião. Ando mais fria, eu ando calculista, um pouco perversa, eu ando muito sã, e definitivamente eu não ando boa pra dar conselhos. Minha paciência está muito mais trabalhada, e a minha ausência de problemas relacionados ao coração, já dura um tempinho. Eu já nem lembro mais "o porque" que chorei, nem se eu realmente gostei daquele carinha, não faço questão de saber dele, me ausentei e nunca mais parei pra pensar em como seria se tudo tivesse dado certo entre nós. Eu só consigo olhar pra frente, sentir paz e leveza, e olhar para quem está HOJE na minha vida provocando as melhores sensações.

Atualmente eu não me julgo apta a palpitar nos relacionamentos alheios, e muito menos pronta para dizer o que eu acho que uma amiga deve fazer ou pensar sobre determinada situação. Como pode isso? eu sempre soube o que dizer, eu sempre gostei de dar conselhos, e eu simplesmente não conseguirei por pra fora nem um "arroto" do que eu supostamente acho sobre coisa alguma relacionada ao coração.

Temo não saber me expressar nesse momento. Temo estar radical demais, e lamento não poder ajudar. Parece que todas as teses foram quebradas, todos os valores distorcidos, e eu nem sequer consigo dizer: "amiga, lute por ele, lute pelo amor." Pq eu nem sei se é realmente nessa idéia que eu acredito nesse cenário, ou porque eu não sei se a minha amiga vai aguentar caso não dê certo, e acima de tudo, se eu vou suportar ver mais uma amiga chorando por amor, ou melhor, pela falta dele.

Eu ando tacando o foda-se caso o "caso" não vire nada, porque eu determinei que que seria assim; porque não quero aquela sensação de descontrole, e de repente me sentir dona de alguém que eu não sou, ou então aguardar aquela ligação forçada. por isso, FODA_SE, só vou relaxar quando o outro me der a certeza de que posso! que mané arriscar o quê! Então, FODA_SE! Antes ELE do que EU!

eu percebi que nosso coração atende a exercícios diários de "como ser duro consigo mesmo" é só praticar, acreditar e de repente você se torna "dona" das suas emoções, pelo menos por um tempo, ate cair de cabeça numa próxima relação que vai transformar seu mundo (parece piada, mas é real).

O fato é que eu não estou boa para aconselhar, ok!?
E, logo mais amiga, ele vai te ligar e tudo vai ficar bem! Mesmo porque, eu fui o cupido dessa relação, não posso ser tão incompetente assim!

Tudo, sempre, Vai passar..
sejam as coisas boas ou ruins, tudo vai passar.
Portanto, Fé!

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Saldo positivo


Estive sóbria, fiz tudo que devia e me alimentei bem. Não fiquei nervosa, ansiosa e nem me magoei com nada nem ninguém. Não me feri, não senti vontade de desistir, não me iludi.
Fugi dos olhares invejosos, críticos e muitas vezes tristes.

Mantive minha mente sã e meu corpo são.
Não tomei remédio para dormir e nem escutei aquelas canções que me lembram os momentos de felicidade extrema que não voltam mais. Desliguei o telefone, não respondi emails e ignorei a campainha. Assiste bons filmes, ouvi algumas músicas, li palavras picadas de boas histórias.

Consegui Alguns dias á menos de estranheza e até sofrimento, num mundo que não é meu. Enquanto os outros testam seus limites superficiais e vivem suas ilusões pessoais, eu sigo pela estrada de tijolos amarelos. Na minha verdade, ando em busca de algum lugar que seja tão bom quanto a minha casa, em busca de uma companhia que seja tão boa quanto a minha.

Pausa!
Paz....sinto paz!

Até quando eu quiser...

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

o que é, o que é

Na dificil tarefa de aceitar o que não posso mudar, e não acomodar com o que incomoda, eu sigo meu dia oscilando entre o mau humor extremo da minha TPM infantil, com a inquietude de alguém que acaba de fazer anos e descobre que faltam apenas 3 para entrar nos “30” e ainda assim dá tempo de curar as loucuras e encontrar os amores.

No auge da minha confusão emocional, as coisas fogem do controle, e eu acabo por entrar numa crise existencial de caráter irrevogável no presente momento. Sabe Deus, Orixás e Deuses o que será do amanhã, mas, responda quem puder???

Eu só sou mais uma. Eu sou só eu. O Mundo anda lento pra mim, as pessoas estranhas demais e as situações completamente incertas.

Uma vez li que a incerteza era algo bom. Me confundo ás vezes, e sinto receio.
Mas ainda confio na incerteza do amanhã, porque se bem me conheço não saberia jamais ser feliz com o verso “toda dia ela faz tudo sempre igual..”

Esse texto é sobre o que mesmo?