sábado, 16 de julho de 2011

Para confundir...






"Aquele que reprime os ímpetos da cólera estará coberto de qualquer perigo.  É conveniente saber sufocar, ou ao menos moderar a cólera, o temor, a tristeza, a alegria, e outras agitações profundas que podem alterar a retidão da alma."*Confúcio





                           


Desculpe Confúcio, eu discordo de você!
Talvez um dia, bem lá na frente, eu acredite que quem vive bem, 
é quem usa máscaras e capas. Mas, hoje? Hoje não.

Não posso crer tão jovem que o camuflado, é  quem é feliz! Quantas pessoas não se apoiam nisso: "conveniente saber", e acabam por transformar suas vidas, num teatro sem fim. Não que os ímpetos sejam sempre bons, muito pelo contrário. A precipitação e a impulsividade excessiva, por exemplo, são ruins. Mas, reprimir já é uma palavra bruta demais para qualquer circunstância que seja.

Aos tantos significados/interpretações de "Cólera",  não há chances de se prevenir do perigo da paixão e de seus derivados. Sejam eles positivos ou negativos. O verdadeiro, é transparente demais para ser convencional, adequado e vantajoso.E, sufocar? moderar? Como posso me livrar de sentimentos tão densos, se não for sincera comigo mesma? e extirpar tudo isso que pesa tanto...

Desculpe Confúcio,Prefiro confiar que a minha alma aguenta o tamanho da minha lucidez, e da minha loucura. Ser conveniente, é ser covarde.Ninguém está imune ao perigo, NINGUÉM! Preciso acreditar que nasci para ser livre e não viver em retidão, na conformidade da razão...

É preciso coragem para deixar de ser conveniente e se tornar verdadeiro.
Te admiro Confúcio, mas só por hoje, não! 

Um comentário:

Desabafando disse...

POis eu concordo contigo, acredito que vive bem aquele que aprende a ser ele mesmo, sem máscaras, e tem coragem de assumir responsabilidades e fazer escolhas.