quinta-feira, 9 de julho de 2009

De volta para o futuro!

É impossível prometer que não escreverei e nem falarei mais sobre assuntos como: amor, paixão, busca, parceria, desamores, dissabores,e ou quaisquer relações de afeto. Enfim, na atual conjuntura da minha vida pessoal, eu posso fugir desse tema por um mês no máximo. Mas, como me sinto perfeitamente preparada, vou falar do passado. Porque quando algo me incomoda, eu não consigo me pronunciar, mas quando resolvido, por pra fora é três palitos! Então, Cá estou eu...

Falando em números, Pra quem não sabe, eu namorei por 4 anos e 7 meses. Estou solteira desde agosto/2007. Ele jurou de pé junto que não foi por outra que ele me deixou; mas com menos de uma semana, ele já estava curtindo um fds romantico, no mesmo lugar onde sempre me levava, sei disso, porque tive a fase de futricar orkuts alheios, e vi uma foto com data...!
e depois de, se não me engano, uns seis meses, eles começaram á namorar, e que eu saiba estavam juntos até uns 15 dias atrás( eu sei, pq tive o prazer de cruzar com ele ontem, e , já está em nova cia). Enfrentei um longo período de luto. Derramei litros de lágrimas, pensei em largar tudo por cinco vezes, quis me mudar do Brasil por três, fiz duas cirurgias plásticas, bati o carro feio, tive quatro crises de amigdalite forte, larguei de dois empregos por falta de emocional, e mais alguns percalços que agora, não estou recordando...rs!

Bom, esse breve histórico foi apenas para colocar vcs a par do que houve, para vcs entenderem o que está havendo. Eu vou ter que admitir que desses quase dois anos separados, eu estou bem somente á um. Ontem eu fui encontrar um amigo meu, antes de encontrar meu paquerinha, que estava trabalhando até tarde. Chegando no local, me deparo com falecido, acompanhado de outra já! Aquele lance da catraca eletrônica sabe? e Morrendo de amores, feliz da vida, no maior grude....eu fiquei chocada. Não, Gente, não gosto dele mais, não senti ciúmes, nada!
Eu sentia ciúmes da menina q ele me trocou, mas ontem eu senti e vi muitas coisas estranhas que até preferia nao ter visto.

Primeiro, eu não reconheci ele. ele me pareceu um estranho. Olhava e não via um ex que eu dividi uma vida. via um menino, besta, e que não tinha nada haver comigo. Daí, depois, comecei a pensar na ex dele. Se ela estaria sofrendo, se ela visse aquela cena, o que ela faria...fiquei me colocando no lugar dela( sei que ñ é certo, mas não resisti). O cara que eu namorei não era escroto assim. Não tinha essa falta de valores, Meu deus, será que eu era cega???

Entre os amassos dele, e seus olhares em mim quando estava distraída....que eu pesquei todos! rs! eu comecei a sentir outra coisa: dó da menina que tava com ele. Quase peguei ela e disse um monte. Quase que falei: "meu, vc é linda, nova, tenta ver mais do que está diante dos seus olhos. e Se cuide, não deixe ele te machucar, ele tá querendo só diversão..."
Mas, óbvio não fiz nada disso. Resumo da noite, foi que eu fui embora cedo, pra encontrar meu paquera, e fui pensando em várias coisas, e a mais importante delas: Que eu realmente não poderia estar melhor! Que ele( "o ex") não poderia ter feito nada de melhor pra minha vida, do que terminado, e do jeito que foi....terrívelmente. Daí me lembrei de uma frase que ele disse na época: "Cá, esse cara que eu sou com vc, não é o verdadeiro. eu tive que mudar pra ter vc, pra te acompanhar, mas eu sou diferente. sou moleque, sou bobo ainda, quero ter uma vida mais leve, uma relação mais leve, por isso não dá mais."

Pausa.

Acho que agora, essa frase faz completamente sentido. Admiro a coragem dele se livrar de mim, e de assumir que ele não era real, e que não podia me dar nada além do que dava...que era pouco. Admiro também por ele ter tido a coragem de ver que não estávamos felizes, e que não poderíamos mais nos fazer bem. que nosso momento tinha se esgotado. e dali pra frente seria total perda de tempo. Mas também sinto vergonha, pela atitude canalha de terminar pelo telefone, por não dar satisfações aos meus pais( ele morou com a gente), e por não ter tido a hombridade de assmumir que era por outra que ele sentiu forças para me deixar. Sua covardia era nítida e isso não me alegrou nem um pouco, pq sempre busquei pessoas de "peito" para me acompanhar na jornada da vida...

Eu só lamento realmente, pq além de ver um estanho, e não sentir nada, eu vi um vácuo, vi uma falta de valores imensa. Me assustei por me sentir assim, por que não imaginei que depois de tanto sofrimento e dor, ia aparecer uma mulher tão forte, esclarecida e decidida. Que todo esse fim trágico, me traria tanto amadurecimento, á ponto de olhar hoje e enxergar perfeitamente que eu não deixei nada pra trás, e não perdi nada. às vzs quando eu acordava no meio da noite, naquela época, estava desesperada de saudades dele, ligava e o cel tava desligado, eu suspirava e dizia pra mim mesma: "Calma carolina, um dia vc vai rir disso tudo, vai passar e vc vai ver as coias mais claramente".

Passou, doeu, foi, e hoje não representa mais nada. Seria eu uma pessoa fria sem coração? Nunca, jamais! estou mais quente do que nunca, e tenho o coração pulsante de sangue, de sentimento, de desejo, de tudo que é bom sentir....!! Estou me re-construindo. Me cuidando. Para que meu grande amor apareça seco para me fazer feliz. Estou a cada dia me resguardando mais, e evitando ao máximo pessoas vazias, sórdidas e sem brilho no olhar.

Eu me lembro de algumas cenas, de brigas homéricas em que eu vomitava tudo isso nele. Dizia que via tudo isso nele, ele se ofendia, retrucava, a gente fazia as pazes, e eu continua com um aperto no peito. Mal sabia eu, que no fundo, bem lá fundo, tudo fazia sentido. Eu sempre soube, eu sempre via, talvez eu seja a única mulher que tenha conhecido ele tão verdadeiramente, e que também tenha sido tão falsamente conivente com que ele era. Falta de experiência, falta de valores, falta de paciência, e preguiça de querer ver o mínimo que possa existir entre duas pessoas: Lealdade e verdade.

Não é o tempo de namoro, não é o verbo" namorar", não são as alianças, não é programa de família todo domingo, não é nada disso que faz dois corações serem um só e nem de uma pessoa, verdadeira. As relações humanas, os sentimentos, eles estão tão além das coisas simples desse mundo, que pouquíssimos de nós, conseguimos ver...

Hoje, mais do que nunca, eu agradeço á Deus, a vida, a minha família, aos meus amigos, e acima de tudo a mim mesma; por perceber á tempo, que ainda há muito pra descobrir, muitas pessoais legais para conhecer, para acreditar e para ser feliz, muito feliz!

5 comentários:

Eliana / Lu Maria disse...

Olá! Vim parar aqui por acaso, enquanto navegava por mares da internet. Gostei tanto do seu blog (dei uma lidinha nos posts anteriores... adorei o que disse com relação à capa da não-famosa Valesca do funk...), voltarei mais vezes. Gosto de blogs com conteúdo!

bjs

Eliana

Desabafando disse...

OI, passando pra retribuir sua visita ao meu blog...que bom que a vida tirou esse cara do seu caminho, por mais sofrido que seja, abriu espaço pra vc encontrar coisas novas e se permitir ser mais feliz! Gostei daqui e vou te seguir! Será sempre bem vinda lá no meu blog viu! Ah, acho que vc não entendeu direito a história pois tinha que ter lido o post anterior...rsrsrsrs...nele eu explico quem é ela!
Bom fim de semana!

Candy disse...

Minha nossa!
que história, hein?!
Sei lá, pelo o que tenho vivido nesses últimos 4 meses, eu tenho percebido (com litros de lágrimas também) o quanto nos enganamos com as pessoas.
As vezes pensamos "não! fulano(a) nao faria isso comigo nunca". Pense bem pq ele(a) faria sim. Basta uma oportunidade.

Geralmente sao essas pessoas nas quais mais apostamos fichas, que fazem isso conosco. As maiores rasteiras vêm dessas pessoas.
Não, não é uma pessoa amarga falando.
Muito pelo contrário, caí, me machuquei e a ferida ainda está aberta (opa! como está!), mas nao perco as esperanças e continuo muito viva e pulsante por dentro, assim como vc.
Enquanto eu nao acertar a aposta, não desisto. Aliás, nao desisto nem qnd acertar.
Afinal, é assim que a vida é: não podemos parar nem desistir!
A vida sempre continua.
;)

parabéns pela coragem de falar tão francamente.

beeeeijão e otima semana!

PALAVRAS AO VENTO disse...

Linda, estou voltando. Hoje não comentarei o texto porque estou sem meu óculos... Mas vim trazer uma novidade:

Deixo aqui o link de um blog voltado para a saúde mental, gostaria do seu apoio em divulgá-lo pois lá será um local de informação, debates, artigos, etc.

Conto com sua colaboração. http://transtornobipolar2009.blogspot.com/

Porque a saúde mental, merece atenção!

Abraços

Silvana Pedrini

Camilla Tebet disse...

Que bom que chegaste nesse ponto de amadurecimento. É mesmo difícil nos desapegarmos das pessoas. ÀS vezes nem é mais amor mesmo, porque temos sim, a todo tempo, a consciencia de que se não deu certo, não era de verdade. MAs não sei por que passamos tanto tempo sofrendo a perda. O tempo de luto é importante para enterrarmos tudo o que ficou.
Mas lendo seu texto, me identifiquei muito, e me deu um certo orgulho de vc e de mim também.
É isso ai, bola pra frente. Vamos cuidar do nosso jardim para que as borboletas venham voar por aqui.